O QUE É ESTE "RETIRO"?

arte: nicolas monastério (ex-retirante)

**********************************
Palhaço nosso que estás na terra
Santificado seja teu nariz encarnado
Venha a nós o vosso riso
Seja feita a tua vontade
Assim na rua como no palco
O riso nosso de cada dia nos dai hoje e sempre
Perdoai as nossas travessuras
Assim como nós perdoamos a falta de sorrisos
Não nos deixe cair em melancolia
E livrai-nos do mal humor
Amém
**********************************
COMEMORAÇÃO DE 10 ANOS DO PROJETO

PRÓXIMA EDIÇÃO?

MÓDULO 1

NOVEMBRO: de 20 a 23
em local paradisíaco, em PARATY (RJ)

Investimento:
R$720,00 (à vista) ou 3 X R$270,00.

DESCONTO PARA
GRUPOS PRÉ-FORMADOS (Módulo 1)!


**********************************

RETIRO DE PALHAÇO:
"Pra Quem Tem uma Imagem a Zerar!" (desde 2004)

****************

MANIFESTE SEU INTERESSE
email: teatrorocokoz@gmail.com

TEATRO DE ROCOKÓZ: 16 Anos de Estrada!!!
www.rocokoz15anos.blogspot.com

**********************************

NESTE BLOG:
- O link sobre "NOSSO ESPETÁCULO"
- Informações sobre "RETIRO DE PALHAÇO"
- Informações sobre "OFICINA DE PALHAÇO"
- Informações sobre "PALESTRA"
- Depoimentos de ex-retirantes
- Linkoteca de videos e textos sobre Humor

****************

O TEATRO DE ROCOKÓZ

Desde 1998, o Teatro de Rocokóz vem pesquisando uma pedagogia própria para o treinamento clownesco e desenvolvendo um repertório de espetáculos e intervenções itinerantes, das quais, entre outras iniciativas, resultaram a Risoterapia (1998-2006) e o Retiro de Palhaço, bem como o espetáculo "Um Show de Variedades Palhacísticas" (desde 2000) circula por todo o país apresentando a Família Biaggioli em sua carroça de saltimbancos.

****************

A "OFICINA" DE PALHAÇO

Diferentemente do formato realizado nos retiros, a "Oficina" acontece em sistema aberto (convencional) propiciando ao participante uma investigação introdutória do potencial de comicidade inerente em sua própria originalidade.
O objetivo é contribuir, com jogos de improvisação e dinâmicas de sensibilização, a descoberta da "lógica própria" de cada qual, sua visão de mundo, seu jeito pessoal (e intransferível) de se relacionar com as coisas da vida.
Assim sendo, se possível, buscar-se propiciar que ele até consiga sistematizar formas de se valer cenicamente disto, por meio do Nariz Vermelho, cuja função, nesta oportunidade, é a de ampliar estas descobertas, seja no nível individual, seja no grupal.
A ferramenta principal é a exposição criativa por meio do jogo do Palhaço, onde a disponibilidade, a verdade, a espontaneidade, a positividade acima de tudo tornam-se fundamentais para a busca do Palhaço-Único de cada um.
Público-alvo: profissionais e estudantes de artes cênicas em geral, bem como o público em geral (a partir de 16 anos).
Coordenação: Ciléia e Carlos Biaggioli
Realização: Teatro de Rocokóz - São Paulo/SP

****************

O "RETIRO" DE PALHAÇO

Destinada a pessoas de todas as áreas profissionais (inclusive palhaços e atores), com idade a partir de 16 anos, que queiram experimentar, por meio do Nariz Vermelho, um maior estreitamento com sua potencialidade de gerar momentos agradáveis, risíveis e de relação mais franca com seu entorno, esta oficina intensiva, com dinâmicas referentes à técnica clownesca, é realizada em dois módulos:
Módulo 1 - constituído de dinâmicas voltadas à descoberta da comicidade inerente na própria originalidade de cada participante; e
Módulo 2 - Exclusivo para quem já passou pelo primeiro, com vistas a um aprofundamento maior no material já levantado.

Hospedados em um belíssimo sítio em meio à Mata Atlântica, a proposta é que os retirantes "mergulhem" no universo do Palhaço, vivenciando-o na maior parte do tempo possível, em um ambiente de intensa convivência, voltada a propiciar descobertas nas relações que vão surgindo no decorrer das dinâmicas, às quais assomam-se o estudo de uma apostila e uma alimentação especialmente pensada para gerar um "estado de espírito" distinto do da vida cotidiana.

EDIÇÕES JÁ REALIZADAS FORA DE SÃO PAULO/SP

2 em Juazeiro do Norte (CE)
1 em Fortaleza (CE)
1 em Manaus (CE), em parceria com o projeto "Morro do Riso", conveniado com o MinC Ministério da Cultura

****************

COMO CHEGAR AO RETIRO?

Como chegar no Sítio?
Geralmente é criado um sistema de caronas, mas, caso você precise vir sozinho(a), anote aí, é super-simples:

De carro...
Um "retão" só: 23 de Maio, Rubem Berta, W. Luis, Interlagos, Teotônio Vilela até o fim, chegou ao centrinho de Parelheiros. Atento(a) às placas MARSILAC, continue reto, mantendo à esquerda na bifurcação adiante. Vc subirá algumas curvas. Quando chegar lá em cima, do seu lado esquerdo aparecerá um vale muito bonito... Fique atento(a)! Haverá um ponto de ônibus à sua direita, azul. VOCÊ CHEGOU! Rua Bragas, 250 (primeiro portão à direita).

De condução...
METRO-CPTM - O objetivo está na linha da CPTM que segue pela Marginal até o Terminal Grajaú, onde vc pega um ônibus até o Terminal Varginha, de onde sai o ônibus Marsilac, que o deixa no "ponto azul" da Rua Braga. A Linha Amarela do Metrô faz conexão com ela na Estação Pinheiros.
ÔNIBUS - Tanto no Terminal Bandeira como no Terminal Jabaquara, embarque no TERMINAL VARGINHA e, chegando lá, pegue o ônibus MARSILAC. Desça no já citado "ponto azul", na esquina com a Rua Bragas, 250.

*********************************************

PALESTRA INTERATIVA SOBRE HUMOR


NOSSA PALESTRA INTERATIVA
"Ser Ridículo ou não Ser? Eis a Questão"
Uma abordagem da Alegria como Expressão da Originalidade de Cada Um de Nós

Duração
60 minutos

Público-alvo
- Meio corporativo
- Instituições de apoio à saúde
- Ambientes de convalescença e isolamento
- Universidades e Escolas
- Iniciativas focadas em "humanização"

Coordenação
Carlos e Ciléia Biaggioli

Nosso objetivo
Evidenciar a potência inerente à Alegria, como "antídoto" para pensamentos, atitudes, ideias, comportamentos e rotinas cristalizadas, não-construtivas

O Conteúdo
A partir da trajetória do grupo Teatro de Rocokóz e seus fundadores, pincela-se a função histórica do riso como transmutador de conceitos e rotinas que já não encontram eco na contemporaneidade.
Neste sentido, a questão principal abordada é a importância de o cidadão resgatar o contato com sua própria originalidade, até como ferramenta para melhor compreender o contexto de tempo-espaço em que se encontra inserido.
Transformar de dentro para fora, valendo-se, para isso, do exercício do seu bom-humor, do seu olhar aguçado na comicidade da vida cotidiana, com o intuito de questioná-la para revolvê-la, revigorá-la, torná-la sempre nova de novo!
Para tanto, esta palestra divide-se essencialmente em três etapas:
1) Um panorama da função social do riso, do humor e da alegria através da história da humanidade;
2) Uma intervenção-surpresa de uma dupla de cômicos (palhaços) gerando HUMOR através da relação bilateral, viva entre a dupla e os participantes do encontro; e
3) Fórum - espaço aberto para troca de ideias, impressões e comentários - debate.

**********************************************
PARA NOS LEVAR À SUA CIDADE

EM SUA CIDADE

EM SUA CIDADE
Envie-nos um email com sua proposta e alinharemos nossas expectativas!

SIGA-NOS OS BONS!!!!

MENINOS, EU VI

Por Alice Viveiros de Castro

Meninos eu vi, eu vi isto tudo começar!
Me lembro de um tempo em que Circo era aquela lona imensa armada na Praça Onze, e os circenses um mundo à parte de tudo. Maravilhoso, surpreendente, mas à parte. Mágico, misterioso e inacessível. Já o teatro não, teatro era moda. Todo mundo ia e muita gente fazia. Todo o colégio que prestasse tinha pelo menos um grupo em atividade.
Fazia-se teatro nas igrejas, nos prédios, nos bairros. Onde jovens se encontrassem havia um grupo de teatro... E o grande barato era fazer parte de um Grupo. A direção era coletiva e na maioria das vezes o texto também. E quem fazia teatro vivia indo ao teatro.
Hoje é Dia de Rock lotava e os amigos disputavam quem já tinha assistido mais vezes. Vi Gracias Señor do Oficina, e nunca vou me esquecer da incrível sensação de passar do balcão do Teatro Mesbla direto para o palco segurando uma corda. O teatro na década de 70 era participativo. Ninguém falava em "interativo", a palavra era participação. E tome água na cara, beijos, flores para o público, e muitos abraços, que na década de 70 todo mundo se abraçava muito... Tempos do desbunde e de muito amor.
Eu não tinha a menor idéia de como aquilo começara. Só mais tarde fui saber da importância do A Comunidade , um grupo de artistas que abandonou os Teatros formais e foi para o MAM, misturando palco e platéia, rompendo com a frontalidade e a verticalidade da cena italiana. Não vi SOMMA – os melhores anos das nossas vidas, e fiquei enlouquecida. O espetáculo era um desbunde. A ordem das cenas mudava a cada dia, cada espetáculo era único.
A platéia participava intensamente e se misturava com os atores pelo palco e pelos camarins. Mas a censura pegou pesado e o espetáculo foi proibido depois de15 sessões. Eu não vi, mas me lembro que foi nessa época que ouvi falar pela primeira vez de Amir Haddad. Amir foi um guru. (E ainda é, ah... ainda é!).
Diretor bem-sucedido, rompeu com o teatrão e foi trabalhar com jovens artistas, pesquisando linguagens, reinventando a cena e experimentando sem parar. O grupo que ele dirigia se instalou no Teatro Cacilda Becker (fazendo jus ao nome de Centro Experimental Cacilda Becker) e foi lá que eles inventaram a moda de ensaiar nas ruas. E daí começou o Teatro de Rua e o Grupo Tá Na Rua. Tempos interessantíssimos. Valia tudo. A palavra de ordem era "experimentação".
Descobria-se o corpo com os exercícios de "expressão corporal". E viva Klaus e Angel Vianna, Nelly Laport e Graciela Figueroa! Viva os mestres do movimento! O mais característico do teatro dos anos 70 era a liberdade para buscar novos caminhos. Ninguém seguia regras. Valia se inspirar nas tradições do cordel, da revista, garimpar textos poloneses, dançar e cantar em cena, mergulhar no teatro psicológico e se esbaldar em comédias rasgadas. Sufocados pelos tristes e tenebrosos tempos da ditadura os artistas começaram a perceber que o teatro não mudava o mundo, mas que era muito bom partilhar inquietações...
O teatro político de resistência começava a conviver, nem sempre em harmonia, com a turma do desbunde.... E as mesas do Tratoria, do Acapulco ou do El Faro se transformavam em campos de batalha entre os que queriam discutir a função social do artista e os que queriam falar do teatro como caminho para a expressão do indivíduo. Poucos percebiam que era possível juntar tudo... E haja chope e baseado para dar conta de tanta efervescência criativa...
As grandes mudanças se deram em três frentes indissoluvelmente relacionadas: a estética, o processo de criação e as relações de produção. Foi lá nos anos 70 que a idéia de um grupo de artistas unidos por um projeto e que dividiam a bilheteria em percentuais se consolidou. E haja reunião para discutir se algumas funções teriam um percentual maior ou se o mais justo era a divisão igualitária... Na época nos chamávamos de Alternativos.
Éramos um Movimento e tome reunião na Casa do Estudante... Grupos surgiam, se desmanchavam em novos grupos e tome exercício, laboratório, ficar nu porque o corpo e a alma eram um só e um artista não podia ter pudores de pequenos burgueses. As improvisações duravam horas e lia-se muito: Grotowisk, Brecht e, um pouco mais tarde, Eugênio Barba e tudo do Odin Theatre. Todo mundo viu Maria e Seus Cinco Filhos e descobriu a riqueza e a beleza do universo de João Siqueira.
A galera Zona Sul pirou vendo Luiz Mendonça apresentando Madame Satã como ator. Até que surgiu um grupo de nome esquisitíssimo com um espetáculo hilário, que não propunha nada mas que mudou tudo: Asdrúbal Trouxe o Trombone apresentando O Inspetor Geral! Asdrúbal foi um fenômeno! Um grupo jovem que estourou no primeiro espetáculo e acabou levando multidões ao teatro em todo o país. O movimento agora era nacional.
Os Alternativos faziam sucesso e provavam a viabilidade de uma nova estrutura de produção. Havia no ar um jeito novo de ser empreendedor. Ousadia dava lucro e era possível viver de teatro com uma produção independente, cooperativada e solidária. No início dos anos 80 os maiores sucessos de bilheteria eram espetáculos de grupo e os prêmios oficiais reconheciam o talento de uma nova geração que chegava...
Foi a partir do sucesso do Asdrúbal que uma galera empreendedora e louca (Perfeito Fortuna à frente) resolveu, em 1982, criar o Circo Voador. A Escola de Circo Enquanto isso, o circo tradicional vivia uma crise, precisava renovar seus artistas. E Luiz Olimecha lutava para criar a Escola Nacional de Circo. Um espaço de alto nível onde os filhos de circenses aprenderiam números tradicionais que estavam desaparecendo.
Seria a primeira escola oficial da América do Sul, com os melhores professores recrutados entre os profissionais de circo de todo o país e com instalações moderníssimas. Orlando Miranda, presidente do Instituto Nacional de Artes Cênicas comprou a briga e conseguiu: depois de anos de batalha, a Escola Nacional de Circo foi inaugurada no dia 13 de maio de 1982. Mas o que é que uma coisa tem a ver com a outra??? Teatro alternativo e a criação de uma escola para ensinar as milenares artes circenses??? Pois foi essa mistura de tradição e modernidade que acabou dando neste grupos e artistas que fazem parte deste catálogo. E tudo começou no mesmo ano: 1982.
O Circo Voador
Meninos eu Vi ! Vi a lona sendo armada no Arpoador. O Circo Voador juntando rock, dança, teatro e circo. Manhas e Manias, Banduendes por Acaso Estrelados e os poetas do Beijo na Boca e Sem Vergonha inaugurando em 15 de janeiro de 1982 uma nova era na cidade. Caetano eufórico, feliz:
— Este circo está lindo, tem tudo para levantar vôo...
E Perfeito Fortuna organizando, anárquica e amorosamente, a desordem criativa de toda uma geração. Breno Moroni e Maluh Morenah tomando a rua e ensinando técnicas de circo e de dublê. Vi gente pegando fogo, rolando escadas, descobrindo o prazer de ser audaz e intrépido. O verão de 82 mudou a cara desta cidade para sempre. Depois veio o rapa e a lona foi para a Lapa, com a Surpreendamental Parada Voadora e o projeto de fazer da abandonada Fundição Progresso um casa de todos os malucos foi virando realidade.
A Rua
A geração que tinha descoberto o prazer do corpo em movimento descobriu a sabedoria da rua e passou a venerar os artistas que nela se apresentavam. Abrimos aqui um parágrafo especial. Momento de homenagem a um ícone dos anos 80, alguém que transformou para sempre o conceito do que é um grande artista. Vamos por seu nome em maiúsculas, e tirar o nosso chapéu em homenagem ao TIGRE. Artista de Rua, completo, sublime, Tigre dominava seu público com a agilidade e a picardia de um charlatão medieval.
A arte de entreter uma platéia de passantes, de paralisa-los por horas à fio, de manter a energia da roda lhe foi passada nessa corrente mágica que atravessa os tempos, capaz de fazer de um mulato brasileiro do final do século XX herdeiro direto de Tabarin, artista de rua do século XVI. Pois é, Tigre vivia da rua, do dinheiro miúdo que pingava em seu chapéu coco. Como ele sempre existiram outros tantos nas praças desse Brasil.
Na cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro eles podem ser encontrados no Largo da Carioca, na Praça Quinze, na Feira de São Cristóvão, ou em qualquer outro espaço de encontro em que multidões circulam frenéticas mas onde ainda é possível ficar parado, de pé, de bobeira, ouvindo uma dupla de embolada, admirando um louco que salta um aro cheio de facas, descobrindo qual a melhor erva para curar lumbago ou admirando, num misto de nojo e encantamento, um comedor de vidro.
Tigre era um pirofagista ou, como diz o decreto que regulamenta a profissão de artista, um Comedor de fogo, aquele que "introduz e expele fogo pela boca, utilizando-se de tochas, acendendo-as e apagando-as sucessivamente; faz também demonstrações de insensibilidade epidérmica ao fogo". Mas isso não tinha a menor importância. Como todo bom artista de rua, seu espetáculo não era a demonstração de perícia em alguma proeza específica. O grande barato era a sua habilidade em nos manter ali, completamente absortos na roda, presos ao magnetismo do artista que nos entretinha com piadas improvisadas na hora, comentários de ocasião e a promessa de que logo logo veríamos alguma coisa absolutamente inusitada.
Meninos, eu Vi! Quantas e quantas vezes fiquei lá, feito uma tonta, parada nas escadarias da Câmara dos Vereadores, a boca aberta, basbaque, esquecida da hora, vendo Tigre, o encantador de gentes... Em torno da roda, extasiados, estavam Perfeito, Breno, Malu, João Carlos da Cia. Aérea, Mariozin do Teatro de Roda, João Siqueira, José Lavigne, Márcio Trigo e toda a turma do Manhas e Manias, Amir Haddad e tanta, tanta gente que queria fazer coisas diferentes de um modo diferente e que através do Tigre e de seus companheiros compreendeu ali, naquela roda, o quão grande é o mundo, o quão efêmero é o tempo, o quanto pode a vontade quando ela é a expressão generosa de toda uma geração.
A grande Soma de Tudo
Um bando de Intrépidos Este catálogo é uma boa mostra do que deu misturar a tradição milenar do circo e da rua com a ansiedade de uma geração que queria se mudar para mudar o mundo. Modernos, antenados, conectados e profundamente interessados em contribuir para manter a cadeia mágica que liga todos os homens através dos tempos: a tradição de se exibir para partilhar com o outro o seu prazer de fazer coisas inusitadas... O que é ser artista senão alguém que se expõem para que o encontro entre todos os membros da tribo se dê através do ritual mágico do espetáculo? E nada mais espetacular do que o Circo.
Festival de proezas e ousadias, espaço ideal para as evoluções de homens e mulheres intrépidos! Em 1986 o Circo Voador era um sucesso total. Casa de show onde se apresentavam os maiores nomes da música e se lançavam as jovens bandas de rock que de lá iam estourar por todo o país. Era também um centro de oficinas de teatro e dança, um espaço de resgate da gafieira e das grandes orquestras, um lugar para se começar um projeto de hortas comunitárias, uma creche diferente, enfim o Circo era a casa de todo mundo que fazia, queria fazer e curtia ver os outros fazendo coisas interessantes.
No verão, nas areias do Posto 9, Perfeito Fortuna e Jorginho de Carvalho tiveram um papo que mudou a história do Circo no país. Foi sob o sol de Ipanema que eles se deram conta que aquele era ano de Copa do Mundo. A seleção brasileira ia para o México e eles queriam ir também. Mas como? Papo vai, papo vem, no melhor estilo empreendedor carioca, ali mesmo eles desenharam o projeto Circo Voador no México: montar uma lona que levasse ao México a cultura brasileira. Logo conseguiram os primeiros apoios, e o projeto foi crescendo.
Orlando Miranda (sempre presente) gostou da idéia e conseguiu sensibilizar o Governo Sarney que ajudou a montar a rede de patrocinadores. Só tinha um problema o México é um país apaixonado por circo, e lá ninguém compreenderia o nome Circo Voador sem espetáculos de circo, só com shows de música e teatro. Mas isso não era um problema para voadores, bastava montar uma trupe, pegar alguns alunos recém formados da Escola Nacional de Circo, juntar com a galera do Manhas e Manias, do Abracadabra, gente do Coringa de Graciela Fiqueroa e pronto. Dalmo Cordeiro ficou encarregado de arregimentar a trupe e a notícia se espalhou. Fernando Neder veio lá do Recife e trouxe um nome genial: International Intrépida Trupe. E o bando todo, uma mistureba de artistas de todos os matizes e formações se mandou para o México num avião de carga da FAB.
Lá, pela primeira vez, Vanda Jacques, Beth Martins, Dani Lima, Fernando Neder, Alberto Magalhães, Paulinho Dias, Rachel e Ana Rache, Michael Rodrigues, Fernando Neder, Dalmo Cordeiro se apresentaram juntos. O projeto do Circo Voador não deu muito certo, o local era longe, a divulgação teve problemas, os patrocinadores começaram a dar para trás, mas aquela galera viveu momentos únicos em Guadalajara e quando voltaram para o Rio já tinham decidido criar um grupo: a Intrépida Trupe.
Aos "mexicanos" se somaram logo a inglesa Felicity Simpson, o colombiano Hector Combo, Renato Coelho e os cariocas Ricardo Camilo e Claudia Goudá, a Passarinho. Mas foi em outubro, numa festa no sambódromo que a equipe Intrépida se completou com a chegada dos palhaços Xuxu (Luiz Carlos Vasconcellos), Piro-Piro (Geraldim Miranda) e Dudu (Eduardo Andrade). Ali tinha início uma nova fase do circo no Rio de Janeiro e no Brasil. Meninos eu Vi ! Vi e fiquei pasma. Era circo, mas era alguma outra coisa também. Muitas outras coisas juntas. Os números entravam um por dentro do outro, se mesclavam.
Enquanto o monociclista dançava um tango com a moça na perna de pau, os palhaços já estavam na cena, criando o clima para a entrada de 3 lindas nadadoras suspensas no ar. E eu que não tinha percebido o quanto de mar e existe no ar... As reações foram as mais diversas, todas intensas – Isto não é circo – esbravejavam alguns tradicionais. – Mas como é possível a moça se equilibrar na cabeça do rapaz? Isso é circo, mas também é dança, é teatro, isso é dança-teatro-circo! Os fundadores da Intrépida Trupe estão por toda parte deste catálogo.
E também artistas para quem o grupo foi uma inspiração fundamental: alunos da Intrépida, parceiros da Intrépida, admiradores da Intrépida. Intrépido é o paraibano Luiz Carlos Vasconcellos, mestre Xuxu, formador e inspirador dos novos palhaços por este país. E da paraíba veio a grande parceira Ieda Dantas com sua Fuzarca e seus Gigantes da Lira. Foi ela quem nos seus tempos de administradora descobriu o quanto o espaço do Teatro Nélson Rodrigues era bom para voadores e alpinistas...
A conexão Paraíba-Rio nos trouxe ainda Geraldin Miranda, artista de tudo, referência do circo social, projeto que ele começou nos seus tempos de Intrépida. Pois foi a Intrépida que em parceria com a FASE, IBASE e Iser inventou o circo social e o Se Essa Rua Fosse Minha, lá pelos distantes idos de 1992. Intrépidos são também os Irmãos Brothers e suas sisters. Intrépida de primeira hora é Dani Lima que encontrou na dança sua mais completa expressão e redescobriu a arte milenar de dançar nas alturas. A Intrépida é meio assim mãe de tudo. Grande árvore cheia de braços e frutos...
Anônimos
Meninos eu Vi! Vi mais gente chegando, sangue novo no pedaço. De perna de pau, batucando e tomando a praça. Já estavam na estrada há tempos mas eu só vi quando o Geraldim resolveu fazer um encontro, o Circo no Circo Voador, em 1994. E lá o Teatro de Anônimo assumiu seu lugar. No início foi a poesia, depois a rua, e perna de pau e percussão. Foram para a escola de Circo e lá viraram trapezistas de alto nível e palhaços.
Grandes palhaços, generosos palhaços. Tão generosos que criaram um encontro em que todo mundo brilha e se diverte: O Anjos do Picadeiro. Com eles o Circo abraçou a rua outra vez. Modernos saltimbancos os Anônimos conseguem ser líricos e cômicos, simples e requintadíssimos tudo ao mesmo tempo, tocando nossas mentes, estômagos e corações ao mesmo tempo. O que é ver Angélica e Regina reinventando o trapezinho tradicional da ENC ao som de Rosa do Pixinguinha? E o abraço amigo, a bolinha, o encontro no meio do número, o giro de amor e amizade? Meninos eu Vi! E revejo sempre com um intenso prazer...
Os Anônimos, como os Intrépidos, tem seus filhos, primos e parceiros. Abayomi, Cia. do Público, Cordão do Boi Tatá, Diadokai, é tudo uma mesma galera que partilha espaços e projetos. Generosos e solidários esses Anônimos... É muito significativo que os dois principais grupos do Rio de Janeiro tenham surgido no mesmo ano: 1986. E que por caminhos tão diversos tenham bebido nas mesmas fontes e hoje partilhem a mesma casa.
Os Anônimos vem da Zona Norte/Centro, os Intrépidos da Zona Sul. Mas todos beberam da tradição da Escola Nacional de Circo, cresceram no Circo Voador e estão agora, com seus amigos, parceiros e companheiros, juntos com Perfeito Fortuna na Fundição Progresso e neste catálogo. Meninos eu Vi. E sei que ainda vou ver muitos mais....
Rio de Janeiro, 2 de abril de 2003
Alice Viveiros de Castro Acrobata mental, cúmplice e parceira, intrépida e anônima, de coração. Alice Viveiros de Castro é atriz e diretora de teatro. Foi vedete de teatro de revista com Luiz Mendonça, contra-mestra do Pastoril, comediante de televisão. Abraçou o circo em 1979 quando conheceu Gugu Olimecha. Militante sindical foi Conselheira do Inacen representando os circenses. Virou pesquisadora, trabalhou na Funarte, professora, faz casting para o Cirque du Soleil e nunca mais deixou o picadeiro. Adendo: Nos últimos segundos a Malu Morenah me mandou um texto lindo falando dos artistas de rua, do Elias Bismarck, Borrachinha, Tigre e tantos outros e do encontro dela e da Verônica Tamaoki com a realidade das praças. Como se não bastasse ainda vem um texto antológico da Verônica sobre a Academia Piolin de Artes Circenses (São Paulo 1978-1982) e seus maravilhosos professores: Juscelino Savalla, Abelardo Pinto Sobrinho, Ubirajara Henriques, Julio Alberto Tapia Jr., Zoraide Savalla Baxter, Amercy Fabrini Marrocos, Estercita Fernandes, Roberto Santiago, Victor Santiago, Gibe Fernandes e Júlio Temperani ... Não dei conta de falar de tanta gente e de tanta coisa importante... Não falei da Vic Militello, que nasceu no picadeiro, sabe tudo de circo-teatro e tem sido parceira de todos os que percebem o quanto da alma brasileira está presente nos melodramas e nas comédias circenses. Não falei do papel fundamental do professor George Laysson, que abraçou os malucos que queriam fazer circo e, pacientemente, ensinou montagem e segurança para a galera, e virou padrinho de todos nós... Nem do projeto Passa na Praça que a Poesia te Abraça; nem do Chacal e da Nuvem Cigana, nem do Flávio Nascimento e a Feira de Poesia da Cinelândia; do Mano Mello, do Santiago e do Josué...O Receba o Circo de Braços Abertos ! Da Universidade do Circo Nem dos parceiros de São Paulo: José Wilson recebendo Vandinha e Beth na Escola Picadeiro, Rodrigo Matheus, Érica e Fernando fazendo a Circunferência, a chegada do Abracadabra no Rio... E a Verônica Tamaoki ? Tínhamos que dar conta de falar da importância de se publicar o livro do Circo Nerino... E o Picolino, o Maçaroca e todos os Cerícolas ? Meu Deus! Acho que vai ser preciso escrever um livro....